Homens promovem participação feminina na construção da paz e prevenção de conflitos em Moçambique

Por: Cremildo Churane

A fraca participação feminina na prevenção de conflitos e consolidação da paz é notória em Moçambique. A título de exemplo, nenhuma mulher aparece com papel de relevo nas negociações entre o governo e a Renamo para a cessação das hostilidades militares e nem para o fim da crise pós eleitoral em Moçambique. A presente legislatura é marcada pela redução de 2% de mulheres no parlamento que passou dos 40% da anterior legislatura para 38 % na actual.

A parceria entre a Rede HOPEM e o Departamento de Estado Norte-Americano para a implementação do projecto “Homens promovendo a participação das mulheres no processo da construção da paz e de prevenção de conflitos em Moçambique” na província de Inhambane vem de alguma forma contribuir para reduzir este défice de presença feminina nos órgãos de tomada de decisão no país.

O projecto conjunto pretende assegurar o compromisso dos representantes do sexo masculino nas Assembleias Municipais, Conselhos Distritais, Tribunais Comunitários e outros fóruns visando promover e incentivar a participação das mulheres nos processos de tomada de decisões assim como reforçar as suas competências nestes processos e também garantir que as necessidades específicas das mulheres estejam na agenda de debate destes órgãos.

Este projecto com a duração de dois anos tem como objectivo alcançar 26.370 beneficiários do sexo masculino e feminino entre os 12 e os 65 anos de idade dos distritos de Massinga, Maxixe, Zavala e Vilankulos em Inhambane. O seu maior enfoque é a população jovem, visto ter-se identificado que há maiores probabilidades de se alcançar maior sucesso com os jovens.

Para além de enfatizar a população jovem, há o facto de estes distritos estarem localizados em Inhambane, província da região sul de Moçambique, onde o modelo patriarcal é predominante e, por via disso, ser difícil às mulheres terem acesso aos espaços de tomada de decisão, assim como de os homens, as apoiarem no acesso à esses espaços de tomada de decisão.